Viajando de low cost pela Europa

Viajar de low cost na Europa tem inúmeras vantagens. Confira para o que você deve estar atento ao viajar com uma low cost européia!

Viajar de low cost na Europa tem inúmeras vantagens. Além do preço — as promoções são constantes e com certa antecedência e flexibilidade consegue-se passagens extremamente baratas — o atendimento é honesto, rápido e simpático na maior parte das vezes. É um meio de transporte mais acessível e rápido que o trem na maior parte das vezes e que facilita a vida do turista que deseja conhecer diversas cidades no velho continente em uma única viagem. Mas não esqueça: você tem o que você paga.

Confira para o que você deve estar atento ao viajar com uma low cost européia:

Bagagem: Confira a franquia liberada pela empresa. Se você passar da franquia ou da quantidade de volumes permitidos, pagará taxa de excesso. Informe-se antes de embarcar. E caso já saiba, de antemão, que terá excesso de bagagem, chegue ao aeroporto com maior antecedência para evitar filas e atrasos. A EasyJet, por exemplo, permite ao cliente pagar pelo excesso de volume já durante a reserva pela internet.

Bagagem de mão: Para as corredoras viajantes, a bagagem de mão, por muitas vezes, acaba se tornando sempre mais de um volume: bolsa, casaco, sacola… Algumas companhias low cost relevam este ponto, outras não. Assim, evite transtorno na hora do embarque e leve apenas um volume (uma bolsa maior, por exemplo), para evitar que os outros volumes tenham que ser despachados momentos antes de embarcar para evitar incomodações.

Serviço de bordo: Esqueça os lanchinhos de graça! Você provavelmente receberá um cardápio, onde tudo é pago. O que realmente não faz muita diferença em um vôo de menor duração. No cardápio, há de tudo: sanduíches, bebidas, salgadinhos, doces e até mascotes de pelúcia das empresas aéreas.

Assentos: Como dissemos antes, você tem o que você paga. Em algumas low cost é possível até escolher o tipo de assento que você deseja: com maior espaço para as pernas, assentos nas primeiras filas do avião, assento sem ninguém ao lado… Cada opção diferenciada de assento tem seu preço, que é adicionado ao valor do ticket.

Embarque: Quer ser o primeiro a embarcar e evitar aquelas filas intermináveis para apresentar seu bilhete e entrar no avião? Isso também é possível em algumas low cost, basta selecionar a opção durante a compra da passagem pela internet. A facilidade, claro, também tem seu preço, que varia de acordo com o vôo.

Aeroportos: Informe-se a respeito do aeroporto de embarque e de desembarque: onde fica, tempo até o seu destino, valores de transporte… O preço do táxi do aeroporto até o seu destino final pode sair muito mais caro que o valor pago pelo bilhete aéreo! Para nossa sorte, muitos aeroportos pequenos europeus dispõem de outros meios de transporte até o centro das cidades, como micro ônibus, ônibus, ou mesmo trens.

Ainda nesta semana, foi publicada uma matéria no El País sobre a chegada de turistas à Espanha por meio de empresas aéreas low cost. A matéria diz que, de cada dez turistas que chegaram ao país por via aérea, seis utilizaram uma companhia low cost.

Outro fator ainda deve impulsionar ainda mais este número no futuro na Espanha, uma vez que a Ryanair, uma das principais low cost européias, iniciará operações no Aeroporto de Barcelona, o El Prat, no mês de setembro. Até então, a Ryanair só voava para cidades distantes cerca de 1h da cidade catalã.

No Wikipedia há uma lista de todas as cias aéreas low cost no mundo.

E você, já viajou de low cost? Como foi sua experiência?

5 thoughts on “Viajando de low cost pela Europa

  1. Oi Dimitriu,
    obrigada pela visita!

    De quanto tempo é o seu Europass? Não sei se o trem compensa financeiramente ao longo dos meses, mas vejo a viagem de trem como uma ótima alternativa para quem detesta aeroportos e a função toda que isso envolve (check-in, segurança, controle de passaporte, etc), para quem quer curtir a paisagem e para quem pode gastar um pouco mais no tempo de deslocamento entre uma cidade e outra (se as cidades forem distantes uma da outra – Madrid-Barcelona de trem e avião, por exemplo, levam praticamente o mesmo tempo).

    A vantagem de se viajar de trem são as paisagens (que dependendo do país podem ser lindíssimas) e o fato de te deixar no centro da cidade na maioria das vezes, sem a necessidade de pegar táxi, trem, etc.

    Mas, particularmente, nunca utilizei o trem pra viajar por achar caro demais, e as viagens de avião sempre acabavam sendo mais econômicas – mesmo despachando as malas com as low cost e tendo que pegar transporte até o centro da cidade, o que de fato me acostumei rápido diante da economia!

    Minha sugestão: curta muito o seu europass, aproveite para conhecer toda a Europa e depois viaje de low cost só para conferir como é a “experiência”.

    Aproveite a Holanda!
    Boas corridas,
    Carolina
    Equipe Correr pelo Mundo

  2. E pra quem está programando usar o trem? Eu por exemplo, vou morar na Holanda e já tenho meu Europass. Será que perder um pouco mais de tempo compensa no custo total ao longo dos meses?
    Ótimo post, obrigado pelas dicas!
    Dumitriu

Deixe uma resposta