Diário de Viagem – Jerusalém – Dia 4

Depois da fantástica primeira edição da Maratona de Jerusalém, foi a vez de conhecer Massada e o Mar Morto, imperdíveis para quem visita Israel.

DIA 4 – 26 de março de 2011

Depois da fantástica primeira edição da Maratona de Jerusalém, foi a vez de conhecer Massada e o Mar Morto. As atrações ficam a pouco mais de uma hora de Jerusalém de carro, e são imperdíveis para quem visita Israel.

O Parque Nacional de Massada fica no meio do deserto da Judéia e é uma fortaleza que foi construída pelo Rei Herodes, aproximadamente no ano 30AC, com uma fantástica vista para o Mar Morto.

O viajante pode acessar Massada por teleférico…

…ou caminhando. Em qualquer uma das alternativas, a vista é de tirar o fôlego.

A fortificação está bem conservada

O local, na época habitado por judeus, foi cercado por romanos por volta do ano 72DC. Para não serem capturados vivos pelos romanos, os judeus que ali viviam decidiram suicidar-se, o que torna a história do local cercada por coragem. Massada é, desde 2011, Patrimônio Mundial pela UNESCO.

Depois da visita fantástica a Massada, chegou a vez de conhecer o Mar Morto, ponto mais baixo da Terra, pois são 417 metros abaixo do nível do mar. Ao longo do Mar Morto, existem diversos balneários – estações com estrutura de vestiários e restaurantes para que os viajantes possam aproveitar o local.

Na beira do Mar Morto, em vez de areia, sal!

O Mar Morto tem esse nome devido a impossibilidade de existir alguma forma de vida nele pela grande concentração de sal — esse fato permite que os banhistas boiem em suas águas (permitindo fotos divertidíssimas). Além disso, em alguns pontos podem ser encontrados depósitos de lama. Tanto a água como a lama oferecem benefícios para a pele, fator que leva milhares de turistas para a região anualmente.

Nossas dicas: não esqueça de levar roupa de banho e um pouco da moeda local, uma vez que grande parte destes balneários não aceitam cartão de crédito. Além disso, tome bastante cuidado ao entrar, pois o sal do solo pode machucar seus pés, e não esqueça de levar protetor solar, boné ou chapéu e óculos de sol – faz sol o ano inteiro e nos meses de verão (entre junho e setembro) as temperaturas podem chegar facilmente a mais de 40°C. E aproveite!

← Diário de Viagem – Dia 3 – Maratona de Jerusalém

Diário de Viagem – Dia 5 – Tel Aviv e Jaffa →

Deixe uma resposta